terça-feira, 14 de janeiro de 2014

aniversário de São Paulo - Vila Pompéia

Por volta de 1910 surgia um novo  loteamento dividindo  as chácaras em um bairro.
O empreendedor Rodolpho Miranda, dono da Companhia Urbana e Predial, resolveu homenagear sua esposa Aretusa Pompéia, batizando o novo bairro com o nome de VILA POMPÉIA.

Rápidamente imigrantes atraídos pelas centenas de indústrias que apareciam na região adquiriram lotes para fixar residência.Italianos, portugueses, espanhóis e húngaros trabalhavam como operários nas fábricas. A região teve grande crescimento com a chegada dos padres Camilianos.

A paróquia de Nossa Senhora do Rosário foi criada em 1939. A igreja começara a ser construída dez anos antes, a partir de pequena capela no ponto mais alto da Vila.




                                                       Paróquia Nossa Senhora do Rosário



Uma nova avenida surge em 25/02/1945, cortando os bairros do Sumaré e Perdizes, recebendo o nome de Avenida Pompéia.

 
 
   
Avenida Pompéia década de 1950.
 
Na década de 1960 e começo de 1970, o bairro foi onde surgiram bandas importantes no cenário brasileiro, como o Tutti Frutti, os Mutantes e Made In Brasil.
Apresenta um complexo cultural, o Sesc Pompéia, antiga fábrica da Ibesa - Indústria Nacional de Embalagens, que fabricava carcaça de geladeiras a querosene Gelomatic.
O Sesc Pompéia fundado e inaugurado a primeira etapa em 1982.


 
Fábrica Sesc Pompéia em 1982
 


 
Rua Clélia, 1982 quando foi inaugurado primeira fase do Sesc
 
 
 
Sesc Pompéia - 2014
 
O bairro é portador de teatros, quadras esportivas, além do Bourbon Shopping Pompéia, onde encontra-se o Teatro Bradesco.
 
Em janeiro/2014, o monumento do Conde Francesco Matarazzo, foi transferido da  praça Souza Aranha para a nova praça, no início da Av. Pompéia com a Av. Francesco Matarazzo.
As indústrias Reunidas Fábricas Matarazzo foram o maior complexo industrial da América Latina, tendo como seu fundador o imigrante italiano Francesco Matarazzo.

 
Em primeiro plano, o monumento à Francesco Matarazzo, e atrás, o Bourbon Shopping São Paulo, é um centro comercial pertence ao grupo gaúcho Zaffari e ocupa o mesmo local do antigo Shopping Center Matarazzo, que foi arrematado pelo atual grupo em 1997.
Até maio de 2009, o shopping se chamava "Bourbon Shopping Pompéia", mas a nomenclatura foi mudada para evitar confusão com as unidades Bourbon Shopping do Rio Grande do Sul.
O shopping foi inaugurado no dia 28 de março de 2008.
 


 
 
Praça Francesco Matarazzo inaugurada em  11/01/2014
 
 
 
 
O Hospital São Camilo foi a primeira unidade da rede a ser fundada em 1928.
 
Em 1931, foi fundada por Giovanni  Rabioglio a primeira fábrica de baterias do Brasil, a Saturnia Acumularores Elétricos, no bairro da Pompéia, onde iniciou-se a produção das baterias Heliar e Saturno, além de baterias industriais existentes na época.
Localizada à Rua Ministro Ferreira Alves, 902/920, a empresa ocupava um quarteirão inteiro.
 
 
Saturnia Acumularores Elétricos  - 1931
 
A antiga fábrica começou a ser demolida meados do  século  XX.
 
Hoje no local temos 3 edifícios, denominado "Condomínio Villa Bella", lançado em 1993, pela Encol, a mior empresa brasileira da construção civil na época.
 
 
Fica aqui registrado, um pouco da história deste bairro, que  homenageia a cidade de São Paulo, na comemoração dos seus  460 anos !
 
 
 
 
 
 
                                        

Pintura Questionada

Mostra discute os limites da representação bidimensional na passagem da afte moderna para contemporânea.

MAC - Av. Pedro Alvares Cabral, 1301 - até 27 de julho de  2014.

Em cartaz no 3 andar da nova sede do Museu de Arte Comtemporânea da  USP, no antigo prédio do Detran, a mostra Para Além  do Ponto e da Linha debate os limites da representação bidimensional. Trata-se de um tema  fundamental da passagem da arte moderna para a contemporânea. O título da montagem, organizada por Tadeu Chiarelli e composta de 34 obras do acervo da instituição, alude a um livro de Wassily Kandinsky, institulado Ponto e Linha sobre o Plano. O gênio russo, por sinal, comparece  com o excepcional  oleo Composição Clara, de 1942. Depois de Kandinsky, a pintura passou a ser questionada e, em alguns casos, renovada. A discussão começa a partir de construtivistas como os suiços Richard  Paul Lohse e Sophie Taeuber-Arp e, no Brasil, a neoconcretista Lygia Clark, sobretudo  na série Plano em Superfícies Moduladas. A coletiva do MAC traz ousadias, o holandês César Domela usa estruturas de metal em relevo, enquanto Sérgio Sister lança mão de ripas de madeira e Amélia Toledo sobrepõe pedaços de juta. Na linhagem que defende a abordagem mais tradicional das telas, destaque para o colorismo dos talentosos Paulo Pasta e Marco Giannotti e para a presença da obra prima Dom Bosco, de Alfredo Volpi.

 
O óleo Composição Clara, do russo Wassily Kandinsky, trabalho realizado em 1942.

São Paulo - 460 anos - Luzes da cidade


 Exposição comemorativa ao aniversário da Fundação de São Paulo.

A Coordenadoria de Educação  e Cultura da Associação dos Funcionários Públicos do Estado de São Paulo, homenageia os 460 anos,  com fotos que faz referência ao espaço público da cidade,  a partir de variáveis artística, arquitetônica, cultural e utilitária .

Foi escolhido endereços que perfazem a memória histórica de constituição  da cidade de São Paulo.

As fotos fazem com que tomemos contato com uma São Paulo retratada em detalhes, fragmentos, nos quais foi destacado os postes de iluminação pública, referenciados em cada  localização histórica.

Os postes, acredita-se, reúnem, além do aspecto simólico de urbanidade e metáforico de iluminação, elementos estéticos a serem apreciados que, decerto, escapam à vista apressada de quem percorre a cidade.

Luzes da Cidade, motiva quem visita a cidade de São Paulo, a deter-se um pouco mais no ambiente de nossa cidade, ao mesmo tempo em que propicia identificações com os endereços onde estão localizados, ampliando através das fotos , detalhes, que muitas das vezes deixamos de observá-los,

Luzes da Cidade é o resultado do projeto expográfico, com fotografias de Manoel de Brito.

FELIZ ANIVERSÁRIO SÃO PAULO !


 
Avenida São João, primeiro plano Edifício Martinelli - Capa da revista Veja São paulo
Viaduto Santa Ifigênia
 







                                                                                                       Praça da Sé




 
 
Praça Ramos de Azevedo

 
Páteo do Colégio
                                                                                                                       Páteo do Colégio
 


                                               Teatro Municipal - Praça Ramos de Azevedo




                                                Teatro Municipal - Praça Ramos de Azevedo




                                                Secretaria da Justiça do Estado de São Paulo




                           Hall de entrada da Associação dos Funcionários do Estado de São Paulo local da exposição.




                                                                 Hall de entrada


 



quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

Ayrton Senna



Neste  primeiro dia do ano de  2014, inicio o ano relembrando um grande ídolo no automobilismo, ano que se completam 20 anos da trágica morte de Ayrton Senna


Foi-se embora no ápice de sua popularidade, às vésperas de sua consagração definitiva como o melhor de todos os tempos, provocando desânimo aquela Fórmula 1que não costuma se comover e relembrar seus atores.
Foi-se embora deixando de presente uma série de imagens que o tempo e a memória jamais conseguirão apagar.
De Ayrton Senna lembraremos sempre o rosto limpo, sempre tomado por um véu de tristeza, típico dos brasileiros obrigados a viver no exterior, em conflito permanente entre a alegria de viver e a saudade de seu país. Daquele povo que o havia nomeado seu embaixador perante o mundo e que via nos feitos de Senna o resgate de quem se vê obrigado a sobreviver na adversidade.
Lembraremos aquele seu braço levantado em sinal de vitória ou depois de conquistar a enésima pole position. Em dez anos de corridas o havia levantado mais de cem vezes e quem sabe outras cenas desse tipo poderia ainda ter-nos oferrecido ?




 
 


 
Ayrton, para sempre Senna